quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

A ARTE DE SE AUTOPROCLAMAR

Mas conto que começamos a noite na loja O Melhor Bolo de Chocolate do Mundo. O Melhor Bolo de Chocolate do Mundo? O que tem a minha atenção nessa estória não é o bolo em si. Se é mesmo o melhor do mundo, se é um bolo de chocolate ou, antes, um merengue de chocolate, se vale as suas calorias – sobre tudo isso o Shoichi Iwashita e o Tony Goes já falaram, e muito bem.

O que tem a minha atenção é o chutzpah da autoproclamação. Se funciona? Perguntem para Carlos Braz, o chef do melhor bolo de chocolate do mundo, para Napoleão Bonaparte, imperador de Roma, para Muhammad Ali, the greatest of all time, ou para Madonna, the queen of pop. Sorry, guys. Eu também a amo, e já escrevi sobre isso – mas a Madonna se autoproclamou a rainha do pop bem antes de estar na Billboard.

Se autoproclamar-se é ético? Well, I guess I'm conflicted out: Eu já fiz uso da autoproclamação.

2 comentários:

introspective disse...

Bom, eu estava indeciso se deveria ir lá conferir o tal bolo...

... e ao final do teu post continuo indeciso! hehehe

Afinal, discussões sobre autopromoção à parte, vc gostou ou não gostou?

;)

Lúcia BL disse...

salut, introspective!

o melhor bolo (ou merengue) de chocolate do mundo é delicioso. eu peço o meio-amargo e o acompanho com um macchiato. o café e a barista são do suplicy.

fica in-crí-vel!

beijo grande