sexta-feira, 16 de maio de 2008

RUN, LÚCIA, RUN 3

Não sei o que foi, se senti dúvida, ceticismo naquele silêncio, se me senti desafiada, provocada. Só sei que foi assim, Fabiano. Senti o vigor da certeza crescendo em mim, como se o meu ego, o meu id e o meu super-id se alinhassem, como se todas as minhas células se sintonizassem e – ah, que poder, que fuerza, que yang, que mobilização, que Scarlett O'Hara jurando para si mesma "eu nunca mais vou passar fome"! Amanhã eu volto a correr, prometo para mim mesma. Já me visualizo concluindo a maratona de Nova York. Ou Paris. Ou Berlim. Que pena que já é tarde da noite, senão eu começaria aqui e agora. But tomorrow is another day, Scarlett: O dia em que darei vida ao meu eu maratonista.

Não sei bem como isso se dá, Fabiano. Mas na manhã seguinte ficar um pouco mais na minha cama apresenta-se como uma proposta irresistível de felicidade. Sair da minha cama para correr – sounds like a really bad idea. Correr de quem? Correr para que? E que eu tenha feito uma promessa a mim mesma, que hoje eu volto a correr – agora me parece algum deslize de bom-senso, algo movido por vaidade, por orgulho. Volto a dormir.

6 comentários:

FABIANO disse...

Acalme-se, pq vc não é a primeira nem será a única a ter esse sentimento ambíguo em relação à prática desportiva. Já senti essa catarse de nunca mais passarei fome a la Scarllet como vc, em várias vezes em minha vida ao recomeçar a prática de exercícios! Como vc, também não sinto o wooho dos esportes, e me prendo na academia apenas com o fim de melhorar minhas formas e enxugar aquelas gordurinhas que sempre nos atormentam... Já me fiz a promessa de correr pelo menos aquelas micro maratonas de 5km da Nike, mas até agora nada! Mas quero lhe dizer, que se a vontade apareceu de madrugada, deveria começar seu treino ali e naquela hora, pq a Sra mesmo sabe que moramos em um bairro em que podemos nos dar esse luxo, de correr pela madrugada! Realmente a vontade de no dia seguinte abandonar a cama cedo, principalmente nesse friozinho outonal, fica difícil, mas te digo, levante e corra! Quando voltar da corrida, sentirás muito melhor! Correr para ser feliz, para se ter mais um objetivo, para liberar endorfinas, para sentir o sangue correndo mais rápido, enfim, para se sentir mais vida! Isso não acontece só com vc! Todos os dias chego em casa cansado, e penso, hoje nao vou na academia, mas me esforço, e subo minha ladeira e me esforço ao subir na esteira e levantar pesos! Quando retorno, sempre me sinto melhor, e com o desejo de missão cumprida! Pense nisso!

Alexandre Lucas disse...

Boa sorte na empreitada. Com certeza será positiva =)
Bj e saudades.

Boneca falante disse...

Vou na contra-mão da onda da corrida e das opiniões já manifestadas. Eu não entendo essas modinhas, sinceramente. Estamos vivendo numa sociedade em que não basta ser super profissional e trabalhar 10 horas por dia, não basta ser cool, não basta ser bonito, não basta entender de vinhos, não basta ter uma alimentação saudável, não! há que participar de maratonas e corridas 10k! Eu acho que a corrida virou um fetiche, um bem de consumo. Correr agora dá um certo status, é como saber cozinhar...
Se te faz bem, ok, vai lá e corra. Eu pessoalmente sou contra a gente ficar se forçando a fazer coisa que nos são anti-naturais. Correr (ou se exercitar, como já disse o Drauzio Varela) é contra a nossa natureza. O homem não foi feito pra correr todo dia 5 ou 10K. Ele corria um pouquinho quando precisva. O resto do tempo andava. Vc pode não ter o 'barato da corrida' fazendo outras coisas, como yoga ou sei lá o que, natação, pilates ou qualquer coisa que te dê realmente vontade de ir, mas faça o que te dá prazer, ora!!! Boxe? Vôlei? Dança? Ballet? sei lá, tem tanta coisa...
É só a minha opinião. :)
Boa sorte ! :)
Bjs!

Estefanio disse...

Hm mesmo pensamento, atitudes e sentimentos eu tenho!
Será que a gente anda se sabotando involuntáriamente?

Lúcia BL disse...

Respostas:

olá, fabiano!

como dizia o meu orientador celso lafer na época de mestrado, é preciso saber lidar com contradições e ambigüidades... inclusive as nossas próprias.

obrigada por compartilhar a sua própria experiência de forma tão sincera! é uma inspiração para mim. e dizendo agora o oposto do que eu disse antes, taí um tipo de prazer no esporte eu sinto sim: o da missão cumprida, o do apesar-dos-pesares-eu-fiz! vou me concentrar na memória desse prazer... e outros virão!

essa série run, lúcia, run tem ainda outros capítulos... pelo menos até eu contar sobre a reebok 10 k que eu fiz em abril :-/

beijogrande

gracias, alexandre! besos

olá, emília!

eu tinha certeza que esses eram os critérios para uma pessoa ser capa da exame ou ganhar um perfil na gazeta mercantil. e agora você me diz que eu TENHO que ser superprofissional e trabalhar 10 horas por dia, ser cool, ser bonita, entender de vinhos, ter uma alimentação saudável, e participar de maratonas e corridas 10k? :-/

flamenco, capoeira, dança de salão, street dance, pilates, step, yoga, ski, step, feldenkrais, hiking – já fiz tantos..! acho que de todos esses, o que eu realmente amo é hiking: em 2003 fiz 1300 km entre espanha, frança e portugal... com mochila de uns 12 quilos, e por todo tipo de geografia e clima.

corrida e natação são âncoras porque posso praticá-los a qualquer hora, sem estar sujeita a um treinador e horários fixos. prazer? sim, pontualmente. mas todo esporte ou prática corporal requer constância – praticar mesmo quando não se está a fim ou não se sente prazer :-/ correr em provas? ainda que 5 km, a prova é um estímulo para a constância do treino.

beijogrande

mmm, estefanio, é possível.

mas de acordo com teorias da neurociência, talvez estejamos nos propondo mudanças em doses maiores do que o nosso neocórtex é capaz de processar. quando isso acontece, o neocórtex “fecha” e o cérebro reptiliano reina. e o cérebro reptiliano nos dá todo tipo de estímulo para que fujamos da dor/desconforto e busquemos prazer. (quando acordamos de uma noite de sono, o neocórtex ainda está dormindo, rs.)

segundo um artigo recente no NYT, a melhor forma de criar novos (bons) hábitos (i.e. de não “fechar” o neocórtex) é fazer mudanças aos pouquinhos. uma figura dos “três cérebros” está aqui http://lux-religare.blogspot.com/2008/02/assim-voc-me-insulta.html

smack

Alberto Pereira Jr. disse...

entendo exatamente essa promessa..
to fazendo ela sobre voltar a academia faz tempo.. meu dead line seria dia 02/6... mas agora passei para depois do SPFW.. para pegar embalo e nao ter q interromper

:P